Notícias Atualizadas SGS

Back to Notícias Atualizadas SGS

[Clipping] A visão das instituições financeiras sobre os CBios

Matéria original – NovaCana.com — 24/08/2018

https://www.novacana.com/n/eventos/luzia-hirata-visao-instituicoes-financeiras-cbios-240818/

A questão da sustentabilidade é estratégica porque ela sempre está pensando no longo prazo e, dentro do ponto de vista de investimentos, essa questão está se tornando bastante relevante”. Essa frase, foi dita em 2011 por Luzia Hirata, então analista da SustainCapital e atual gestora de ativos do Santander, durante um evento voltado para o setor de biocombustíveis.

combustivel-etanol

 

Há sete anos, contudo, os empresários do setor sucroenergético nem ao menos sonhavam com a existência da nova política nacional de combustíveis (como o RenovaBio) e não sabiam ao certo como as vantagens ambientais do etanol poderiam ser exploradas economicamente. Só se falava em Cide. Agora, as possibilidades abertas pelo programa são muitas e é preciso saber explorar a previsibilidade de longo prazo proporcionada pelo programa.

Dessa forma, Hirata volta a falar diretamente com os empresários do setor de açúcar e etanol. Ela foi convidada para o NovaCana Ethanol Conference por sua atuação como presidente do grupo de trabalho GT Sustentabilidade, que faz parte das articulações do Ministério de Minas e Energia (MME) com o setor financeiro para regulamentação do mercado de créditos de descarbonização (CBios).

Engenheira química formada pela Universidade Estadual de Campinas (Unicamp), Hirata é também mestre em macroeconomia e finanças pelo Insper – Instituto de Ensino e Pesquisa. Desde 2014, ela integra a equipe do Santander na área de gestão de ativos.

A profissional, especializada em meio ambiente, também tem passagens registradas por empresas como Bridgestone, PricewaterhouseCoopers (PwC), Sustaincapital, Key Associados, BSD Consulting e CDP – Global Enviromental Reporting System.

O GT Sustentabilidade, por sua vez, é um dos fóruns da Associação Brasileira das Entidades dos Mercados Financeiro e de Capitais (Anbima). Dentre seus participantes estão representantes de instituições como: Bradesco, GPS Planejamento Financeiro, BTG Pactual, Brasil Plural – Banco Múltiplo, Banco Modal, Sul América Investimentos, Itaú Unibanco, Votorantim, Daycoval e Caixa Econômica Federal.

Potencial de crescimento do setor sucroenergético

Ao longo dos próximos anos, com o RenovaBio em voga e o mercado de CBios em pleno funcionamento, o futuro do setor sucroenergético passa a receber uma influência direta do mercado de papéis. Um estudo da Empresa de Pesquisa e Energia (EPE), vinculada ao MME, aponta três cenários possíveis de crescimento, considerando diferentes possibilidades de valor dos CBios.

“Com as metas de descarbonização definidas, haverá um estímulo para produção de biocombustíveis, o que aumentará a busca pelos CBios”, afirma o documento, que continua: “Com tal sinalização econômica, espera-se que as usinas se sintam impulsionadas a produzir mais biocombustíveis e de forma mais eficiente, aumentando a oferta deste certificado e regulando seu preço no mercado, onde ele será comercializado”.

Dessa maneira, os CBios passam a influenciar índices como área colhida, moagem, produtividade, oferta de etanol e geração de eletricidade.

Assim, em um cenário de preços de CBio mais elevado, a moagem pode crescer em torno de 3,7% ao ano no período de 2018 a 2030, alcançando 945 milhões de toneladas. A produção de etanol, por sua vez, cresceria 6,4% ao ano, alcançando a marca de 54 bilhões de litros.

Já em um cenário desfavorável, a taxa de crescimento da moagem cairia para 2,1% ao ano, elevando o total do setor para 812 milhões de toneladas. Ou seja, mesmo com os CBios em baixa, ainda haverá espaço para crescimento, com a oferta de etanol atingindo 42,8 bilhões de litros.

Os primeiros passos

A evolução desse mercado, entretanto, deve se dar de forma gradual. De acordo com as premissas apresentadas pelo MME durante a consulta pública que determinou a meta do RenovaBio, apenas 28% da capacidade de produção de biocombustíveis deve participar do programa em 2019. Esse índice deve aumentar para 46% em 2020, alcançando 98% em 2025.

Um dos empecilhos no caminho dos produtores está na certificação, que envolve o preenchimento da calculadora do programa – a RenovaCalc –, a presença de uma firma certificadora, e a comprovação dos dados fornecidos por meio de uma documentação.

Enquanto muitos parâmetros da RenovaCalc são conferidos de forma simples, com a verificação de registros internos, outros precisam de documentos como recibos e notas fiscais, que devem ser guardados pelas usinas. Sendo assim, as unidades interessadas em participar do RenovaBio devem adquirir desde já hábitos organizacionais que podem facilitar os processos adiante.

Share this post

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

4 + 3 =

Back to Notícias Atualizadas SGS